Neurodigital – Especial Dia do Mídia
Publicado em 21 de junho de 2016
Text_2

Neste Dia do Mídia, o Portal Neurônio preparou um Neurodigital – coluna sobre marketing digital – especial para os profissionais que, mais do que nunca, precisam estar atentos e ligados nas novas tecnologias e tendências de consumo. Conversamos com Danilo França, gerente de mídia da Ampla, sobre como as evoluções digitais impactam o trabalho dos mídias diariamente.

Portal Neurônio – Qual a principal característica que um mídia deve ter atualmente?
Danilo França – O que sempre deveria ter: pensamento estratégico integrado. Sempre digo que antes do profissional ser especialista em uma área, como a mídia, ele é um comunicólogo e precisa entender do todo. Ele precisa entender de branding, concorrência, planejamento de comunicação, o foco do conceito criativo, as características/forças que cada meio/veículo tem para ajudar a dar solução aos objetivos de mídia.

PN – Como os avanços tecnológicos impactaram no trabalho do mídia?
Danilo – A tecnologia ampliou o leque de opções na mídia. Hoje temos uma atenção fragmentada, um consumo simultâneo de 2 ou até 3 telas e fazer um planejamento assertivo requer todo um fundamento em pesquisas de hábitos de consumo antes de chegar no famoso Excel. A internet, em especial, possibilita trabalhar desde o alto alcance até profundas formas de segmentação, o que nos leva a uma rentabilidade ainda maior da verba investida.

PN – Como o mídia enxerga o papel das redes sociais no planejamento de uma campanha?
Danilo – Hoje a presença em redes sociais é vital para a grande maioria das marcas e está presente na maioria dos planejamentos de mídia. Quando digo maioria quero dizer que nenhum meio é presente sempre. Já trabalhei em uma solução de mídia que a melhor opção era carro de som e rádio de feira e com 15 dias todos os galpões do Polo de Toritama tinham sido vendidos para os feirantes de rua. Voltando as redes sociais, suas possibilidades são inúmeras seja no aspecto de visualização, cliques e de interação mais profunda de consumidor e marca.

PN – O cliente já enxerga as mídias digitais como meios mais fortes do que os tradicionais?
Danilo – Acredito que não e que nem deveria. Não podemos carimbar que um meio é mais forte que o outro de forma geral, tudo depende do objetivo da campanha. Pode ser que em uma campanha a mídia digital seja prioritária, do mesmo jeito que em outra o rádio seja o prioritário. Cada meio e veículo vão atender a um determinado objetivo e, na maioria das vezes, o trabalho dos meios em conjunto é a melhor “fórmula” para atingir os resultados da campanha. Porém, tentando responder a pergunta, a grande maioria dos anunciantes já sabe do potencial das mídias digitais e a tendência é que o investimento cresça cada vez mais. As possibilidades são inúmeras, além da grande capacidade de monitorar em tempo real seus resultados e ter flexibilidade de mudá-los durante o processo.

LEIA TAMBÉM

FH250416212

22/06/16-17:23

Dia do Mídia 2016